PONTO FINAL ESTAÇÃO PARAÍSO

5 11 2008

RIQUINHO – Piuí! Tic Tac! Piuí! Tic Tac! Piui!

Tita – Oi Riquinho, ta brincando de trenzinho?

Riquinho: Oi, Tita! Tudo bem! Eu gosto muito de brincar com locomotivas; é como se eu tivesse fazendo uma grande viagem e parando sempre em estações diferentes, para conhecer lugares diferentes.

Tita: Deve ser divertido imaginar grandes viagens em cidades bem distantes.

Riquinho – Você quer brincar comigo?

Tita - Eu não posso, e eu vim até aqui para te convidar para irmos à escola dominical.

Riquinho: Escola?! Ah Tita, hoje é domingo, eu vou à escola todos os dias! Ir à escola hoje, de novo?! Ah, não! Eu quero brincar.

Tita – Oh! Riquinho, escola dominical é diferente da escola secular. Na escola dominical nós aprendemos tudo sobre Deus, sobre o céu, sobre o Filho de Deus, que veio para nos salvar; é muito bom!

Riquinho – Sobre o Filho de Deus que veio nos salvar?! Salvar de quê?

Tita Oh! Riquinho, nós somos pecadores e precisamos do perdão de Jesus.

Riquinho – Perdão do quê? Eu não mato, não roubo, não tenho vícios, sou bonzinho com os meus amigos…

Tita – Puxa Riquinho! É por isso que você precisa ir à escola dominical, para aprender como você poderá entrar no céu. A Bíblia diz que todos pecaram e precisam da glória de Deus. E diz também que Jesus Cristo veio para nos dar vida, e só através dEle poderemos ir ao céu. Pois nós éramos como ovelhas desgarradas e andávamos como errantes pelo deserto, sem um pastor. Porém, Jesus veio ser o nosso Pastor amado, e só Ele nos conduzirá até as mansões celestiais. Quem crê em Jesus será salvo; quem não crê está condenado. Saque Riquinho, Jesus ama o pecador, mas não ama o pecado, e pecado não vai entrar no céu. E por mais que as pessoas se achem boas, estarão pecando, porque não somos bons; bom só Jesus, que morreu na cruz por nós. E o maior pecado, seu Riquinho, é não aceitar a Jesus como Salvador.

Riquinho – Puxa! Eu não tinha pensado nessas coisas. E como eu posso entrar no céu?

Tita – Veja o seu brinquedo, vamos fazer de contas que quem aceita a Jesus tem que entrar nesse trem, para subir com Jesus. Ele é o nosso condutor e lá dentro os anjos de Deus verificam as passagens de todos.

Riquinho – Passagens! Temos que comprar passagens!

Tita – Não, Riquinho! Quem se arrepende dos seus pecados e aceita a Jesus, procurando fazer a vontade de Deus, estará com as passagens e poderá subir; senão, não poderá embarcar no trem.

Riquinho – Ah, bem! Entendi. E aí?

Tita – Veja bem, se o trem ficar fraco ele precisa abastecer, não é?

Riquinho – Certo.

Tita – O cristão também tem que se abastecer da Palavra de Deus e seguir os seus mandamentos para não errar o caminho. Por isso precisamos ir à escola dominical. E se o trem sair dos trilhos ele não chega no lugar desejado. O cristão tem que andar na linha, e sem Jesus ele não chega na Estação do Paraíso, que é o ponto final de tudo, onde estão as mansões celestiais que Jesus preparou para nós.

Riquinho – É, eu estou mesmo por fora; gostei muito de você ter me ensinado tudo isso, Tita. Eu sempre gostei de viagens, mas nunca pensei que para viajar para o céu eu precisava aceitar a Jesus e fazer a sua vontade.

Tita –  Você é criatura de Deus, pois foi Deus que te criou; quando você aceitá-lo passará a ser seu filho. Aquele que não faz a vontade do Pai, não é digno de ser chamado de filho. E se não somos filhos, como queremos morar na sua casa?!

Riquinho – Ai! É mesmo! Jesus, me perdoa, eu não sabia a verdade. Eu também quero ser chamado filho de Deus.

Tita: Então vamos à escola dominical aprender mais a Palavra de Deus e louvar o seu nome, pois só Ele é digno de toda honra e de toda glória.

 

Maria de Fátima Alves da Costa

Fantoches 2 Alegria da garotada.





PERDÃO

5 11 2008

INÍCIO: MAGA JÁ ESTÁ EM CENA

Maria Linguaruda – Maga! Maga!

Maga – Oi Maria Linguaruda!

Maria Linguaruda – Que bom que encontrei você! Sabe pra quê?

Maga – Pra quê?

Maria Linguaruda – Porque estou morrendo de vontade de brincar! E não tenho amiguinho!

Maga – Então vamos brincar!

Maria Linguaruda – Ah, que bom, Maga!

Maga – Vamos convidar o Zé para brincar com a gente?

Maria Linguaruda – Isso! Vamos chamá-lo!

Maga – Sim!

Maria Linguaruda e Maga – Zé, Zé, Zé…

– Ôpa! Tô chegando meninas!

Maria Linguaruda – Oi Zé!

– O que vocês querem?

Maga – Vamos brincar!

Maria Linguaruda – Isso mesmo!

– Jóia! Vou  brincar! Hoje eu to animado!

Maga – Que bom!

– Que tal a gente chamar o Gugu também?

Maria Linguaruda – Jóia, ele vai ficar feliz!

Todos – Gugu, Gugu!

Gugu – Eu não vou!

Maga – Não vem? Mas por quê?

Gugu – Eu não vou não!

Maria Linguaruda – Mas porque Gugu? Vem aqui, nós queremos brincar com você!

Gugu – Eu já falei que não vou!

– Ei cara, o que foi? Que bicho te mordeu, heim? Vem cara!

Maga – Mas porque você  não quer vir?

Gugu – Eu to com vergonha!

Maga e Maria Linguaruda – Vergonha?

– Ué! Ele nunca foi envergonhado! Pelo contrário, ele é sem vergonha! Né meninas?

Maga – Oh Gugu! Vem cá!

Maria Linguaruda – Vem Gugu!

– Vem logo cara, se não eu vou te buscar aí embaixo!

Gugu – Não, não precisa! Eu já vou! (aparece com o nariz coberto de esparadrapo)

Maga – Shi! O que foi que aconteceu com o seu nariz Gugu?

Gugu – (chorando) Eu vou dizer o que aconteceu com o meu nariz, snif, snif. Sabe o que foi?

Todos – o quê?

Gugu – Eu tava lá na escada, lendo um livrinho, aí, passou a Maria Linguaruda e “thcum”, pisou em cima do meu nariz!

Maga e  – Em cima do nariz?

Maria Linguaruda – Mas foi sem querer, Gugu!

Gugu – E depois ela veio pedir perdão e eu já falei que não perdôo!

Maria Linguaruda – Eu já disse que foi sem querer!

Gugu – Mas eu não perdôo.

– Calma gente!

Maga – Gugu, que feio! Você não quer perdoar mesmo?

Gugu – Não! Já decidi! Não perdôo.

Maga – Gugu! Você Sabe o que a Bíblia diz sobre o perdão?

Gugu – A Bíblia? Ele diz alguma coisa é?

Maga – Claro! A Bíblia diz quantas vezes nós devemos perdoar o próximo.

Gugu – É mesmo?

– É mesmo cara! E sabe quanto é?

Gugu – Na, na, não!

– É 70 vezes 7.

Gugu – O quê?

– É 70 vezes 7.

Maga – É isso mesmo Gugu!

Gugu – Oh! Você já imaginou o tamanho do meu nariz, se ela pisasse tantas vezes em cima dele?

Maria Linguaruda – Ah! Mas eu não ia pisar em cima dele!

Gugu – Não perdôo, não perdôo.

Maga – Gugu, você sabe fazer a oração do Pai Nosso?

Gugu – A oração do Pai Nosso?

Maga – É Gugu!

Gugu – Sei, sei sim!

Maga – Então faça uma vez!

Gugu – Fazer agora?

Maga – É Gugu!

Gugu – Zé, se eu me engasgar um pouquinho, você me ajuda?

– Ei cara, você não sabe?

Gugu – Chi… (Fala baixo, risadas). É que eu engasgo de vez em quando.

– Tá legal! Pode mandar que eu ajudo!

Gugu – Então vamos lá! “Pai nosso… como no céu, é, é.

– O pão nosso de cara!

Gugu – O pão nosso… Hoje, e, ah! Esqueci! Essa parte eu esqueci!

Maga – Mas essa é a parte mais importante!

Gugu – Engraçado! Bem nessa parte eu vou esquecer (risadas envergonhadas).

– Mas eu não esqueci, e vou te ajudar! Perdoai…

Gugu – Perdoai as nossas… Assim como perdoamos, churum, churum (fala rápido)

Maria Linguaruda – Nossa! Eu não entendi nada!

– Você parecia uma metralhadora, cara!

Maga – Oh, Gugu! Você tem que falar devagar.

Gugu – Tá legal. Perdoai… Assim, churum, churum…

Maga – Gugu! Assim não vai dar! Pois você mesmo tem que entender aquilo que está falando!

Gugu – É mesmo?

Maria Linguaruda – É, pode falar, que essa parte é a mais importante.

Gugu – É…, perdoai… (voz de choro) assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

Maga – Pois é Gugu, como você quer que Deus te perdoe se você não perdoa a Maria Linguaruda? Deus está pronto para te perdoar!

Gugu – Quer dizer que eu tenho que ir lá, dizer para ela que eu a perdoou?

– É claro, cara! Já ta demorando!

Gugu – (Fala com Maria) Oi!

Maria Linguaruda – Oi

Gugu – Eu queria falar com você!

Maria Linguaruda – É mesmo?

Gugu – Não, dá eu não consigo!

– Vai lá cara, você não é homem?

Gugu – Eu sou!

– Então cara, se você não vai com suas próprias forças, eu sei de alguém que pode te dar toda a força.

Gugu – É? Quem?

– Esse alguém é Deus, e é só você pedir para ele, que ele te dá toda a força.

Maga – Isso Gugu, peça agora mesmo em oração!

Gugu – Eu vou pedir agora mesmo! “Querido Jesus, eu quero pedir, que o Senhor me dê força para perdoar Maria Linguaruda, eu não estou conseguindo. Me ajude, amém”.

Todos – Amém

(Gugu se aproxima de Maria Linguaruda)

Gugu – Maria!

Maria Linguaruda – Oi!

Gugu – Eu te perdôo!

Maria Linguaruda – Mesmo?

Gugu – Mesmo, mesmo, mesmo!

Maria Linguaruda – Ai que bom! (eles se abraçam)

Gugu – Como é bom saber perdoar!

– É isso aí rapaz, parabéns!!!!

Gugu – É, Deus me ajudou.

Maga – É muito importante a gente pedir perdão, mas é mais importante perdoar. Sabe, perdoar é esquecer e não olhar para trás, aquilo faz parte do passado agora.

Maria Linguaruda – E como a gente se sente feliz agora, né Gugu?

Gugu – É verdade.

– Ei criançada, vamos cantar uma música?

Maga – Aquela música que diz: A melhor oração é o perdão.

 

“A MELHOR ORAÇÃO É O PERDÃO (BIS)

SE TU PODES PERDOAR

TU PRECISAS ORAR

A MELHOR ORAÇÃO É O PERDÃO”.

 

Obs.: Pode substituir por uma música de perdão já conhecida.





O mais importante é Jesus – História de Fantoches

26 10 2007

Maria Linguarudaà (CANTAROLANDO) Lá, lá, lá…

Maga à  Olá, Maria Linguaruda, você está tão bonita!

Gugu à É mesmo, Maria Linguaruda!

Maria Linguaruda à Obrigada! Minha mãe faz uma roupa nova para mim todos os dias.

Maga à Puxa! Que beleza!

Gugu à E os seus sapatos! Que lindo!

Maria Linguaruda à A minha mãe compra sempre um sapato novo para combinar com as roupas que eu tenho.

Gugu à Sua mãe deve ser muito rica, Maria Linguaruda!

Maga à É mesmo! Para fazer tudo isso por você tem que ser muito rica.

Maria Linguaruda à É verdade. Tudo o que eu quero ela me dá. Ela tem muito dinheiro e pode comprar tudo.

Gugu à Tudo não! Eu sei que ela não pode comprar uma coisa…

Maga à  O quê, Zeca?

Gugu à  Ela não pode comprar a vida de ninguém, porque a vida pertence a Deus.

Maria Linguaruda à Ah! Isso aí é, né? Eu não tinha pensado nisso, claro.

Maga à Você tem muitos brinquedos?

Maria Linguaruda à Claro que tenho! Eu não sei o que eu ainda não tenho de brinquedos.

Maga à Puxa, então leva a gente para brincar um pouquinho na sua casa.

Maria Linguaruda à Não, não posso, minha mãe não deixa brincar com eles, porque vocês podem estragar tudo.

Maga à Quer dizer que você não pode levar seus amigos para brincar com seus brinquedos?

Maria Linguaruda à Às vezes. Com alguns colegas, né?

Gugu à Acho que você não é muito feliz. Eu e a Maga juntamos os nossos brinquedos todos os dias. A gente se diverte muito. Brinca na terra, dá cambalhotas na grama, sobe nas árvores, faz uma festa.

Maga à Nós somos pobre, mas temos um tesouro maior que todas as pessoas ricas.

Maria Linguaruda à Tesouro, vocês tão pobres têm tesouros? Ah! Ah! Ah!

Gugu à É verdade! Temos sim, e esse tesouro pertence ao nosso pai do céu. Ele é o Rei dos reis. Nós temos dois pais: um do céu e um aqui na terra que mora comigo. O Pai do céu é o dono do tesouro, e nós somos filhos dEle, por isso somos seus herdeiros. Lá no céu tem um palácio preparado para nós. Só quem tem Jesus vai morar lá.

Maria Linguaruda à Palácio! Ah! Ah! Ah! Os meus pais são ricos.

Maga à Não, Belinha. Você está enganada. Nosso pai do céu foi quem criou todas as coisas. Até onde você mora e o que você tem é dEle. Apenas está emprestado para você. Onde eu moro, também! Ele é o dono de tudo.

Maria Linguaruda à Emprestado? Vocês estão enganados, vou perguntar aos meus pais. Eu não acredito em vocês!

Narrador à Os dias se passaram e Maria Linguaruda não esqueceu o que seus amigos falaram. Perguntou a seus pais se na verdade Jesus (Deus) era o criador de todas as coisas e se apenas Ele poderia dar a vida e tirá-la. Seus pais assim confirmaram. Depois, passados alguns dias, Maria Linguaruda ficou muito enferma, e seus pais gastaram todo o dinheiro para que ela ficasse boa. Mas não obtiveram sucesso.

Maria Linguaruda, muito fraquinha, lembrou-se das palavras de seu amigo, que havia dito que o dinheiro não poderia comprar a vida, mas Jesus poderia curar e salvar. E, naquela hora, os pais de Maria Linguaruda reconheceram que as crianças estavam certas. Então as convidou para visitá-la, e elas oraram por Maria Linguaruda e seus pais.

No dia seguinte…

Gugu à Olá, Maria Linguaruda! Puxa! Como a sua casa é linda, hein!

Maga à Você está melhor, Maria Linguaruda?

Maria Linguaruda à Que bom ver vocês! Agora estou bem melhor. Jesus me curou e graças a vocês eu aprendi que o dinheiro não é tão importante. A gente morre e tudo fica. O principal é a nossa salvação. Quase perdi minha vida. Agora posso dizer: Sou feliz! Jesus me salvou! Jesus me curou!

Maga à Que bom! Jesus é um tesouro que não se acaba.

Gugu à Na terra, tudo se consome e perde seu valor. Se cair uma bomba e destruir tudo, de nada vai adiantar o dinheiro. Mas quem tem Jesus tem tudo.

Maria Linguaruda à É mesmo. Obrigada! A partir de hoje, eu quero que vocês venham brincar sempre aqui com os meus brinquedos.

Narrador à E assim Maria Linguaruda aprendeu que o dinheiro não compra a salvação, pois o preço que Jesus pagou na cruz do Calvário não tem valor que pague. Ele é o nosso maior tesouro. Jesus é o tesouro mais importante desta vida!








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.